Autor: Maria Eugênia Marques Pissin

Título: Acolhimento e o agente comunitário de saúde: atuando sobre suas fragilidades e potencialidades. 2022.

PISSIN, Maria Eugênia. Acolhimento e o agente comunitário de saúde: atuando sobre suas fragilidades e potencialidades. 2022. 52. Trabalho de Conclusão de Residência – Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família SESAU/FIOCRUZ. Campo Grande/MS, 2022.

Compondo a menor parte da equipe de saúde no âmbito da Unidade de Saúde da Família, o agente comunitário de saúde é responsável por desenvolver ações facilitadoras do vínculo entre a equipe de saúde junto à comunidade. As suas atribuições possibilitam identificar os principais problemas de saúde nos territórios, podendo dessa forma realizar o planejamento estratégicos de intervenção clínica e sanitária, alcançando a solução do problema. O objetivo desse Projeto de Intervenção é desenvolver educação permanente com os agentes comunitários de saúde, estimulando o processo de acolhimento junto ao usuário, utilizando análise de vulnerabilidade como uma das atividades a serem desenvolvidas. Trata-se de um plano de intervenção num estudo de caso, cujo o delineamento metodológico utiliza a revisão narrativa da literatura, a coleta de dados nas bases de dados: Biblioteca Científica Eletrônica On-line (SciELO), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e Literatura Internacional em Ciências da Saúde e Biomédica (MEDLINE). Como Resultados, foi realizado um momento de educação permanente junto aos agentes comunitários de saúde, com o intuito de melhorar seu desempenho, compreender conceitos e otimizar o processo de trabalho frente às necessidades do serviço e da comunidade. O encontro contou com 11 agentes comunitários de saúde lotados no serviço de diferentes equipes de 35 profissionais ativos na unidade básica de saúde, por meio de reuniões visando a metodologia de intervenção, os objetivos foram abordados seguindo a Cartilha de Acolhimento: Escala de Vulnerabilidade. Como discussão fica evidente que apesar de haver claro entendimento acerca do tema proposto, alguns profissionais demonstram resistência quanto à mudança no processo de trabalho em relação ao acolhimento e dificuldade de compreensão dos direitos e deveres da sua categoria, dificultando a implantação do projeto. Conclui-se que o momento realizado foi importante para avaliar e destacar algumas situações rotineiras impactantes da unidade associado ao modo de acolhimento, escuta qualificada, educação permanente e resolução dos problemas enfrentados pela população e colaboradores. A cartilha foi entendida como instrumento de qualificação dos profissionais.

Palavras-chave: Agente Comunitário de Saúde 1. Educação Permanente 2. Acolhimento 3